OUTEIRO-BRAGANÇA

Medalha Comemorativa

FUNDAMENTOS ESTÉTICOS

Na abordagem inicial para a realização da medalha, o primeiro passo foi a escolha, a partir de imagens reais, dos elementos formais, a constar na medalha.
Foram posteriormente estudados e desenvolvidos estética e tecnicamente, para que fosse possível encontrar-se um equilíbrio entre a ideia artística e a realização técnica da medalha.
Tratando-se de uma aldeia que apesar do seu vasto património histórico, continua a ser meio rural, seria então importante a conciliação entre elementos naturais e elementos históricos.
Em relação aos elementos de cariz histórico, a escolha recaiu sobre as ruínas do castelo, (elemento principal e de certa forma elemento identificador da aldeia) e sobre a ponte romana (símbolo civilizacional) sobre o rio Sabor.
Foram ainda acrescentados, de forma estilizada (simplificada) elementos que simbolizam as muralhas do castelo e que, aqui, servem como elemento visual agregador e de ligação entre os diversos constituintes formais da medalha, criando-se um todo visual único, harmonioso, dinâmico e coerente.
O elemento natural escolhido foi o castanheiro pela sua longevidade, robustez e qualidades visuais, (texturais e rítmicas); principalmente do seu tronco. Surge como elemento de ligação, pela sua longevidade, entre o passado e o presente, uma vez que se pretendia uma obra que testemunhasse o passado mas com os olhos no futuro.
Partindo deste ponto de vista, a forma exterior surgiu a partir da forma da castanha, enquanto semente, de onde poderá brotar algo: o futuro.
Espera-se que o reconhecimento do passado sirva de incentivo para a construção do futuro.

Francisco Garrido

Medalha frente

Medalha verso